Bezerros já registrou taxa de ocupação de 100% dos leitos de UTI no início de maio.

De acordo com o presidente presidente do Conselho dos Secretários Municipais de Saúde, esse seria o pior momento da pandemia no Agreste. Em reunião juntamente com os perfeitos do agreste, o secretário de Saúde de Pernambuco não descarta possibilidade da variante já estar presente na região.

De acordo com o presidente presidente do Conselho dos Secretários Municipais de Saúde, esse seria o pior momento da pandemia no Agreste.

Em entrevista A TV Jornal Interior, José Edson, presidente do Conselho dos Secretários Municipais de Saúde, falou sobre um possível colapso nas unidades de saúde dos municípios do Agreste, a falta de oxigênio e medicamentos para pacientes graves.

“Especialmente aqui na nossa região temos tido um aumento substancial de casos novos e graves e isso nos dá uma intranquilidade em relação a falta de oxigênio, essencial para melhorar a saúde daqueles que estão com Covid. Além disso, estamos com uma falta nacional de anestésicos e relaxantes musculares injetáveis, usados para pacientes que estão em estado grave”, relatou durante a entrevista.

O secretário também falou que esse seria o pior momento do Agreste em relação a Covid-19, mas que a região ainda não está em colapso. “Estamos no pior momento que desde o início da pandemia, mas colapso ainda não. Muitos municípios conseguiram equipamentos antes de começar a nova onda e estão segurando os pacientes, mas a gente ainda não tem visto pacientes morrendo por falta de vaga”, ressaltou.

Após a superlotação dos leitos de UTI em maio, o Município de Bezerros recebeu do Estado para o Hospital Jesus Pequenino mais 10 leitos de UTI que darão suporte a rede saúde da cidade. A chegada dos leitos foi anunciados no último sábado (22/05) pelo Diretor do Hospital Sidney Ribeiro.