Considerado Patrono da Educação Brasileira, Paulo Freire completaria 100 anos no último domingo (19) de Setembro. Paulo é tido desde 2012 como “Patrono da Educação Brasileira”, atuando principalmente na educação de adultos em áreas urbanas e rurais de Pernambuco.

 Freire é criador do método de ensino que estimula a alfabetização dos adultos mediante a discussão de experiências próprias de vida vividas pelo aluno através de palavras presentes na realidade que são detalhadas para chegar a palavra escrita e então a compreensão do mundo. Seu trabalho é reconhecido mundialmente com 41 títulos em instituições de ensino, como em universidades renomadas de Harvard, Cambridge e Oxford. Em livros como “Pedagogia do Oprimido”, o mais famoso deles, o autor defende o papel primordial da educação no processo de conscientizar o povo e levá-lo ao senso crítico. 

 Ao mesmo tempo, o professor afirmava que a educação deveria ser um processo de “mão dupla”, em que o professor também aprende, ou, “é um aluno”. A composição deste ideal se da em contraposição à ideia da educação tradicional, em que o professor ensina, e o os estudantes são “receptáculos vazios”, ou seja, que apenas escutam o que é dito.

Para celebrar o centenário do educador e um dos pensadores brasileiros mais citado no mundo, movimentos sociais se mobilizaram no Armazém do Campo, na capital Recife. A Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e a Internacional da Educação para a América Latina (leal) convocaram a celebração.

Joana Santos, coordenadora da Escola de Formação Quilombo dos Palmares e uma das organizadoras do evento, explica que o dia é de comemorações a Paulo Freire. “Hoje é um dia que a gente se encontra pelo aniversário de Paulo Freire juntando vários movimentos populares, seja do movimento sindical e seja movimento de mulheres e da juventude”, afirma. O movimento seguiu do Armazém do Campo ao Bairro do Recife, em caminhada, pela manhã. Houve café da manhã no início do ato e um microfone aberto para que líderes, militantes e artistas homenageassem Paulo Freire.

 

Redação PH Bezerros

Referencias: G1/ Folha de Pernambuco

Foto: João Pires/Estadão Conteúdo/Arquivo