Desde o início do ano de 2021, bezerrenses vem alertando a gestão sobre o modelo de atuação da pasta de saúde e relatando dificuldades e insatisfações nos atendimentos medico-hospitalares dos departamentos de serviços oferecidos como Unidades Básicas de Saúde e dificuldades decorrentes sobre ausência médica por transferências da UPA 24 horas do município.

As ações da secretaria de Saúde que tem como responsável a secretária Iêda Campos, foi a mais rejeitada pelos bezerrenses na última enquete realizada pelo Site PH Bezerros em suas redes sociais com 52,4% de reprovação. Os modelos de atuação da pasta parecem não satisfazer ainda os bezerrenses mesmo após 6 meses de gestão.

Após indagações de leitores, em consulta ao portal da transparência da prefeitura em números divulgados a público, dados trazem o quantitativo de gastos liquidados em valor superior a R$ 11 milhões em (6) meses do ano de 2021 em maior parte para pagamento de folha de pessoal e encargos sociais. Despesas correntes da pasta como insumos, reparos de unidades, aquisição de equipamentos dentre outros gastos adicionais já chegam a contabilizar R$ 5.843.028,85 milhões.

O orçamento programado para  todo o ano de 2021 chega a ultrapassar R$ 30.207 milhões. Do valor planejado, questionamentos surgem sobre ausência de contratação de novos médicos para assistência médica em plantões na Unidade de pronto atendimento (UPA) afim de evitar transtornos de ausência de profissionais ocasionadas pelas transferências recorrentes na cidade em casos onde o médico necessita deslocar-se com o paciente, uma vez que, médicos contratados anteriormente prestam assistência no hospital de campanha do município sem adição de novos profissionais no quadro da UPA.

 

Redação PH Bezerros

Créditos da imagem destacada: Bezerros Agora