Imagem: Ricardo Stuckert/Divulgação

 

Embora o Prefeito do Recife João Campos (PSB) defenda o lançamento de um candidato independente a majoritária pelo partido, o Governador de Pernambuco e Vice-Presidente Nacional do (PSB), Paulo Câmara, sinalizou que a aliança entre o PSB e PT pode ser realidade para 2022 para o enfrentamento ao presidente da república jair Bolsonaro (sem partido).

 

Paulo Câmara (PSB), disse que existe uma possibilidade real de o partido fechar uma aliança com o PT para apoiar a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições de 2022. Em entrevista à revista Veja, ele disse que uma decisão só deve ocorrer em 2022, mas sinalizou simpatia à ideia. “Há uma diretriz do PSB de só discutir alianças em 2022. Mas as portas estão abertas. Não apenas ao PT, mas a todos os partidos do campo progressista que queiram conversar sobre um Brasil melhor. A aliança com o PT é uma das alternativas. A possibilidade de aliança com o presidente Lula é real”, disse Paulo Câmara

 

Segundo o governador, Lula é “imbatível” no Nordeste e que existe um desejo comum entre os partidos em derrotar o atual presidente, Jair Bolsonaro (sem partido), nas próximas eleições. “Ele (Lula) continua sendo o político mais popular no Nordeste. Aqui ele é imbatível. O que vai nos unir em 2022 é tirar o presidente Bolsonaro do poder e mudar tudo que está acontecendo no Brasil”, disse.

 

O apoio do PSB para a candidatura de Lula é considerado peça-chave para o PT. No último mês, o ex-presidente esteve no Nordeste, seu maior reduto eleitoral e foi a Pernambuco, onde se reuniu com Paulo Câmara e outros representantes do partido. Nas eleições de 2018, o PSB declarou-se neutro no primeiro turno, mas apoiou a candidatura de Fernando Haddad (PT) no segundo turno contra Bolsonaro. Forte principalmente em Pernambuco, o partido se distanciou do PT durante as eleições de 2014, quando lançou Eduardo Campos como candidato — Marina Silva acabou disputando a eleição após a morte de Campos durante a campanha. No segundo turno, o PSB apoiou Aécio Neves (PSDB) contra Dilma Rousseff (PT).

 

Informações Folha UOL / Revista Veja