Foto: Roque de Sá/Agência Senado

 Atualmente, vivenciamos a pior seca no país em 91 anos. O período de estiagem tem esvaziado os reservatórios das hidrelétricas provocando o aumento das tarifas e a necessidade de reduzir o consumo de energia para que o sistema elétrico não entre em colapso.
 A Comissão de Serviços de Infraestrutura (CI) e a Comissão Temporária Externa realizaram audiencia pública para averiguar as causas e efeitos da crise hidro energética com ministro de Minas e Energia, para entender a profundidade dos problemas envolvendo a crise hídrica e quais soluções o governo federal vem adotando para se precaver de possíveis racionamentos. Durante a reunião, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, descartou qualquer risco de desabastecimento elétrico ou de apagão por conta da crise hídrica dos reservatórios que o Brasil enfrenta.
“Não há hipótese alguma de racionamento ou apagão por falta de energia. Pode ser por conta de um raio, de uma tempestade, mas não por falta de energia. É isto que nós estamos trabalhando, há mais de ano, para garantir aos consumidores brasileiros”, afirmou o ministro, durante a inauguração do novo laboratório do Centro de Pesquisas de Energia Elétrica (Cepel) da Eletrobras, em Nova Iguaçu (RJ).
 Bento Albuquerque disse que o país atravessa a pior crise hídrica dos últimos 90 anos, com falta de chuvas sobre os principais reservatórios, mas ressaltou que o setor elétrico soube trabalhar para superar o problema: “Não há risco de desabastecimento de energia de forma alguma, mas eu entendo que o uso racional da energia tem que fazer parte da nossa educação e da nossa cultura.”
 Redação PH Bezerros
Informações: Diário de Pernambuco