Durante sua fala no grande expediente na reunião ordinária da terça-feira (30) de março, em debate iniciado através do vereador líder do governo Eduardo (DEM), por algumas conversas avulsas que “ouviu falar”, opositores que formam maioria na camara municipal já falam sobre um possível impeachment da prefeita lucielle.

O debate iniciou-se quando o líder do governo Eduardo ressaltou a importância da democracia e da oposição. Ainda segundo o vereador, é a primeira vez em décadas que o governo inicia seu mandato com minoria na câmara municipal. “Como é bom ver a democracia ser exercida. E ela precisa ser exercida da forma correta. Há muitos anos, vou dizer até décadas bezerros não tinha oposição… É a primeira vez que um chefe do poder executivo tem minoria na casa” disse o vereador em sua fala.

“Entendo que isso não é problema algum desde que a oposição seja feita com verdade e compromisso… E não sair dizendo por que vai fazer o impeachment da prefeita pela primeira vez na história de Bezerros. Que as conversas que rolam nos bares que eu não posso dizer que é uma conversa verdadeira embora traga essa informação aqui de pessoas que ouviram isso” completou Eduardo sobre os comentários do assunto referido.

Em primeiro aparte a sua fala o vereador Zé Amaro (PSD) enfatizou que a casa estava aberta ao diálogo e que a prefeita se recusou a manter o clima de governabilidade. “Eu acho que você não deve ouvir ou que ouvi dizer em bares, fofocas… Porque se tem oposição, quem procurou foi a própria prefeita que dividiu a casa. Ainda em sua fala, Zé Amaro relatou a sua visão sobre o início do governo: “O povo quer ouvir a verdade. O que tem acontecido no município é muito grave, os 90 dias de governo é desastroso. O povo que apostou no melhor eu tenho pena. O que tá faltando com o gestor é o diálogo… Se for o caso de ir para o ministério público ou tribunal de contas que vá”, completou a sua fala em dois momentos.

Mais adiante, em mais um aparte o vice-presidente da câmara Diogo lemos (PSB), ressaltou a importância da prudência: “voltando ao início da fala de vossa excelência onde dizia que não vamos trazer a essa tribuna palavras soltas ao vento, sem comprovação, dessa maneira o senhor acaba de trazer uma informação muito grave e muito séria se falando do impeachment de uma predileta que coloca de uma determinada maneira a palavra dos pares da casa em cheque, porque se trás uma informação dessa natureza sem comprovação, sem nada de concreto. Isso é muito grave, precisamos ter um pouco mais de zelo com essas informações”, disse o Vereador Diogo Lemos.

Os últimos apartes sobre o tema sobre foram do vereador Rogério (SOLIDARIEDADE) e da vereadora Lindineide (PSB). “Se a prefeita tivesse chamado um por um como havia prometido essas fofocas não estariam acontecendo. Acho que ainda há tempo de acabar com essas fofocas, depende dela que é o cargo maior da cidade” disse o vereador.

A Vereadora Lindineide disse: “Oposição vem partindo da própria prefeita. 7 vereadores sempre beneficiados e a reunião com cada um não deu certo. Eu creio que não partiu da câmara”, disse a vereadora.

Os demais pares, bem como o presidente da casa observaram e acompanharam o debate de forma cautelosa. De forma muito cedo e equivocada, o debate levantando pelo próprio líder do governo por conversas alheias e sem relevâncias, acaba evidenciando mais uma vez a falta de diálogo entre o poder executivo e a casa legislativa.

Da redação PH Bezerros