Hoje eu só preciso de (5) parágrafos curtos. Obrigado a todos que compartilham comigo as doses amargas da realidade. S2

Coluna Opinião do Redator

Redator: Rômulo Pedro

 1- Se a verdade precisa ser dita e tenho a oportunidade de me expressar, nada melhor do que começar mais uma coluna alertando aos democratas da Prefeitura de Bezerros que o povo não votou diretamente em Lucielle (DEM), lo siento… O povo aderiu a um projeto que não visava argumentos em torno de uma pessoa. Independente da figura em representação, a expressiva votação e lição para nunca mais esquecer foi para retirada da antiga classe política que usurpava o poder a anos de desmandos. Como já dito, nos últimos quase 30 anos de eleições as coisas seguem assim: Chegou, sentou, não trabalhou? saiu.

2- A sensação de desgoverno chegando quase a 1 ano de gestão é tamanha que passa a imagem de que “o filho do doutor empurrado no governo” entendia alguma coisa de gestão. De fato entendia, mas gestão unicamente para seus aliados – Supostamente para não tomar processo (1) – beneficiados dentro da máquina pública em cabides de emprego visando a trágica e vergonhosa tentativa de reeleição.

 3- As ações da democrata Lucielle de falta de senso de realidade e marketing incessante desconexo do dia a dia da população, trás de volta a cena a tentativa de chegada no cenário da antiga classe política que julgou combater através do ex-prefeito Breno para as próximas eleições. Classe politica a qual pisa em seu gabinete em busca de favorecimentos, fato comprovado na realidade ao estar lado a lado com aliados de todas as horas dos governos passados fazendo o que sabe de melhor, marketing politico, este bem hipócrita já que julgava ser “renovação politica” e aparentemente entrega cargos e favorecimentos a quem convêm em troca de algum apoio. A democrata vive no país das maravilhas e, sem perceber achando que é suficientemente boa demais e que por isso teve toda a votação expressiva por seu simplório projeto, estende o tapete vermelho para quem foi expulso e escorraçado do poder possa vir a ter algum fôlego novamente.

4- A lição dada pela população a antiga classe política parece não ter sido suficiente e não conseguiram tirar algum aprendizado. É fato a votação expressiva obtida pelo ex-prefeito Breno, mas da mesma forma, os números não foram pertencentes ao mesmo que foi carregado por um imenso grupo que se desfez após a vergonhosa derrota. Novamente, o grande culpado esconde-se por trás das cortinas e tenta mais uma vez dar as peças e impor sua vontade na mais pura demonstração de egoísmo faltando um exame de consciência sobre suas ações e imposições na política da cidade.

 5- Cogitar a possibilidade da volta do rapaz o qual disse que juntou todo atraso de Bezerros dentro da mala e jogou nas costas dizendo que “juntamos todo mundo que fez um pouquinho por Bezerros e que politica se faz com p maiúsculo” significa a mais pura regressão. A má gestão de um, não significa a volta para o passado. Por isso, ao que se parece, já se faz necessário olhar para frente em busca de novos rumos, parar de votar no menos pior e não ter argumentos em torno de pessoas e sim de ideias e projetos que possam entregar uma cidade a qual merecemos e lutamos nos últimos 30 anos.

A paciência dirá quando voltarei a escrever

 

 Adendo: Marginais substantivo ou adjetivo usado no texto em sentido figurado evocando – a margem de algo, alguma coisa, no caso, da realidade. 

 

Coluna Opinião do redator

Redator: Rômulo Pedro