O ex-prefeito Breno Borba (PSB) fez um ao vivo, através de seu Instagram, denunciando suposta perseguição a sua pessoa por parte de funcionários do Centro de Covid-19, que teria negado vacina ao seu sobrinho. O ex-prefeito narrou que cumpriu os requisitos, como o agendamento, e foi informado que o atendimento já tinha se encerrado mesmo antes das 16h, como estava previsto. No vídeo, o ex-prefeito se indignou quando outra pessoa foi chamada para se vacinar e prometeu levar o caso ao Ministério Público na segunda-feira (18). Ainda na transmissão, o ex-prefeito denunciou gesto obsceno de uma funcionária, que teria sido registrado em sua live.

Confira a opinião da coluna dos bastidores o Bezerros Hoje: REGRA É REGRA- A polêmica envolvendo o ex-prefeito Breno Borba (PSB), que acusou a gestão de perseguição política por não vacinar um sobrinho, poderia ter sido evitada. A regra é simples e deve ser seguida pela gestão municipal que tem como característica enaltecer o lado técnico do governo. Se o ex-prefeito agendou e chegou dentro do horário do atendimento, não há razão para que a aplicação não pudesse se efetivada. O ato está longe de ser perseguição política a Breno, até porque deve acontecer com muita gente. Este colunista, por exemplo, quando acometido por Covid, em julho de 2021, encontrou os serviços do Centro de Referência encerrado antes das 17h. É preciso respeitar os horários pré determinados para evitar esse tipo de situação.

Mesmo diante da sua indignação justificável, em dado momento percebe-se que o ex-prefeito Breno também aproveitou a polêmica da vacina de um sobrinho para fazer política.

A prefeitura municipal não emitiu à imprensa nenhuma nota referente ao ocorrido no centro da covid19 envolvendo o ex prefeito Breno Borba PSB.

✓www.phbezerros.com.br