Segundo a resolução publicada pela Arpe, o aumento vale para residências, abastecimento de veículos, comércio e indústria. Reajuste varia de acordo com volume utilizado.

 O gás natural ficou mais caro no Estado de Pernambuco para todos os consumidores do produto. A Agência de Regulação de Pernambuco (Arpe) com gerencia do ex-prefeito de Bezerros Branquinho (PSB), autorizou a Copergás a fazer um reajuste médio de 4,68%. Segundo o documento, os novos valores vão vigorar até 31 de dezembro deste ano. O reajuste vale para todos os tipos de consumidor: residencial, abastecimento de veículos, comércio e indústria. O aumento têm valores diferentes e foi fixado de acordo com a finalidade do uso de gás e o volume comprado.

 Para quem usa o gás em casa, o aumento ficará entre 2,31% e 3,61%, dependendo do nível de consumo. A tarifa mais baixa para consumo residencial sai de R$ 2,8, por metro cúbico, para R$ 2,9, por metro cúbico. Os motoristas que usam gás natural nos carros como alternativa a alta da gasolina, também vão pagar mais caro. O reajuste autorizado foi de 6,9%. O preço, sem contar com os impostos, se dava em torno de R$ 2,1, por metro cúbico. Com o reajuste, o valor do metro cúbico, sem tributos, sobre para R$ 2,3.

Para as indústrias e grandes consumidores comerciais, o aumento vai de 2% a 3,85%, dependendo da quantidade de gás usado. A maior tarifa sai de R$ 5,08, por metro cúbico, para R$ 5,18, por metro cúbico, sem a cobrança de impostos. A menor, que é de R$ 2,6, sem tributos, passa para R$ 2,7, também sem a incidência de impostos.

Justificativas

O aumento do preço do gás natural foi autorizado pela Arpe, na Resolução nº 197, de 28 de outubro e publicada no Diário oficial de Pernambuco. Na resolução, a Arpe justifica que, para elevar os preços do gás natural, levou em consideração o repasse do aumento do custo de aquisição do gás natural determinado pela Petrobras, que foi de 4,38%.

Também foi levada em conta a compra de gás natural ao novo supridor, a empresa New Fortress Energy, para operação da rede local de Petrolina. Além disso, foi levada em consideração a majoração temporária de 0,28% no preço médio ponderado do gás natural.

Ela é referente ao reembolso da diferença de custo dos volumes adquiridos em setembro e outubro de 2021, com validade para novembro e dezembro de 2021. Na resolução, a Arpe informou que, na próxima revisão extraordinária para repasse do custo do gás natural, “realizará comparação do volume de gás utilizado no cálculo do reembolso com o volume efetivamente realizado pela Copergás, em outubro de 2021″. A meta, segundo a agência de regulação, é verificar “uma possível compensação de eventual diferença do volume”.

Redação PH Bezerros com informações do G1 Pernambuco