Na tarde da quarta-feira (03), o delegado de Riacho das Almas, Dr. Ernande Francisco, apresentou o relatório da investigação sobre o acidente envolvendo um ônibus escolar, que ocorreu no início da noite da sexta-feira, dia 11 de março deste ano, no Sítio Salgado, na zona rural da cidade.

O ônibus voltava do Povoado de Vitorino, transportando alunos que estudavam no educandário da comunidade e ao passar pelo Sítio Salgado, na zona rural de Riacho, faltou freio no veículo e o motorista entrou em um terreno baldio onde tombou o transporte. O veículo fazia esse transporte todos os dias do Sítio Guaritas e o Sítio Salgado fica no trajeto.

Três estudantes morreram no local: Thainá de Moura Silva, de 12 anos; Karine Oliveira Moura Silva, de 13 anos e Vitória Maria de Moura, de 11 anos, outras ficaram feridas e dois dias depois faleceu no Hospital Regional do Agreste em Caruaru, Weviton Silva Santos, de 12 anos.

O delegado apontou várias falhas no seu relatório como a falta de fiscalização da empresa que ganhou a licitação, erro de comunicação entre a Prefeitura e o servidor que deveria fiscalizar os transportes escolares, excesso de passageiros, quando deveria transportar no máximo 28 passageiros e não 33, como fazia todos os dias, Carteira Nacional de Habilitação do condutor vencida, falta do cinto de segurança, falta de curso especifico para transporte escolar e o não uso do cinto de segurança. Quanto a Prefeitura e a Secretaria de Educação de Riacho, no entendimento do delegado, cometeram infrações administrativas por terem sido omissas.

O motorista Severino Teodoro da Silva, conhecido como “Seu Biu” de 81 anos e o filho, Adjailson Teodoro da Silva, de 37 anos, foram indiciados. O Seu Biu pelas mortes dos adolescentes e o filho por ter entregue o transporte ao pai, mesmo sabendo que a CNH dele estava vencida. O Inquérito foi entregue a Promotoria da cidade que é o órgão que irá denunciar ou não os dois imputados. O Ministério Público poderá solicitar a prisão dos dois.

Em relação ao ônibus que foi recolhido e estava no pátio da delegacia para ser periciado, foi incendiado 11 dias depois e ficou totalmente destruído com o incêndio e essa investigação está em curso. A autoridade policial solicita que quem souber de algo a mais a respeito do incêndio, que vá a delegacia denunciar o incendiário e garante o anonimato do denunciante.

Fonte adielson Galvão