Coluna opinião do redator

Redator: Rômulo Pedro

 

 Se for parar para ler, se dê ao menos o trabalho de questionar. Saiba que o curral de mugir fica em outro local. Boa leitura!

 

Já não é mais segredo que em 2020 Bezerros foi um dos piores municípios de gestão pública de Pernambuco e do Brasil sob a gestão do entusiasta a politico Breno Borba. “Juntamos todo mundo que fez um pouquinho por Bezerros”, disse o ex-prefeito em campanha. Realmente, pouquíssimo! Este é o mesmo grupo representado pelo considerado maior irresponsável gestor que Bezerros teve pelo (PSB) como um todo e que ainda se acha no direito de opinar e até mesmo voltar a governar. Nem Gepeto criou algo tão cara de pau se comparado ao boneco do filme Pinóquio. Mas, não se surpreenda se alguém ainda acreditar no grupo derrotado e falido que foi escorraçado pela população nas urnas.

Pra mim, a situação que mais ilustra a tamanha incompetência como eu já disse em outra coluna foram os longos 5 anos de espera da estalagem de um equipamento de Raio X que estava a pronta disposição para implantação e não foi implantado. Desde o ano de 2016, o aparelho estava encaixotado e as gestões Branquinho/Breno foram incapazes de realizar o grande obstáculo de instalar o equipamento que não custou nada à cidade, conseguido por emenda Parlamentar. Imagina esse nível de incompetência da porta da prefeitura e das secretarias adentro? Nós soubemos do que houve! Quase R$ 23 milhões de endividamento herdado entre folha, juros, fornecedores, CAUC, receita federal e por ai vai, fora a previdência que só ela custa R$ 42 milhões.

Pra encurtar a conversa, após assumir a gestão da cidade e as dificuldades financeiras, a atual Prefeita Lucielle parece que se esqueceu de onde veio e de quem foi em época de campanha. Por vezes a prefeita repudiou a politica de conchavos, favorecimentos e de hierarquia. Hoje, não é segredo suas alianças politicas entre membros da antiga Base de vereadores do (PSB) de Breno, aliados e simpáticos ao palanque bolsonarista e  favorecimentos a aliados que aplaudiram governos que destruíram a saúde financeira da cidade. Sobre hierarquia, a prefeita que julgou repudiar a politica do “pai pra filho” hoje trata nomes como Fernando Bezerra Coelho, investigado e indiciado por corrupção como grande nome para debater Pernambuco. O mesmo que foi do (PSB) em 2014 e o senador mais votado em Pernambuco e em bezerros na gestão do ex-prefeito Branquinho. Mesmo assim, Lucielle diz que “acabou com o balcão de negócios”. Ainda por cima, a prefeita coloca a família Coelho em um pedestal de exemplo único.

Após o exemplo de ação pública de responsabilidade, o que ilustra a qualidade da gestão veio com a tão linda reforma e entrega de uma ambulância da gestão Lucielle. O veículo sucateado desde o ano de 2017 passou por manutenção e foi entregue como grande ação da prefeitura em 10 meses de governo. Sem nem divulgar os valores, o nível de atuação foi tamanha que 9 dias após a entrega o veículo já apresentou problema e teve que ser rebocado pra oficina para nova manutenção. Aparentemente, os níveis de ação e de moral encontram-se em mesmo patamar ridículo e necessitam de aperfeiçoamento.

Além disso, a gestão se apega a questões básicas financeiras de responsabilidade de qualquer gestor, usa de verniz para a falta de inovação, ações básicas e alianças que disse que jamais seriam feita e eram motivos de repúdio elevando a gestão fiscal como grande mérito o que não passa de simples e pura obrigação tratar o dinheiro público do pagador de impostos com respeito e qualidade. Imaginem o nível da responsabilidade de administração por trás das cortinas da prefeitura com orçamento milionário aonde os palanques políticos vão se formar para 2022 e 2024.

O loteamento vai começar e o ciclo da irresponsabilidade continuam ano após ano. O resultado do novo loteamento da dita nova classe política assistiremos daqui a alguns anos. e quem sofre? A população. Menos os defensores dos anjos de paletó, esses são incapazes de manter um senso crítico e cobrar ações responsáveis de seus políticos. Enquanto o marketing acontece incansavelmente de ambos os lados, a cidade assiste decepcionada o dia a dia fatídico de mais um grande espetáculo que perdura há anos. Cada vez mais circo e cada vez menos pão.

 

A paciência dirá quando voltarei por aqui