Em coletiva de imprensa, o secretário Estadual de Saúde de Pernambuco falou sobre a nova variante e o cenario atual da pandemia que está em analise para definição da realização do carnaval de 2022 no Estado. A ameaça trazida pela nova variante da covid-19, que já tem cinco casos confirmados no País, é também um dos fatores que devem influenciar a decisão sobre a realização do Carnaval em Pernambuco, além das restrições nas festas de fim de ano que estão mais próximas para definição.

A avaliação foi feita pelo secretário estadual de Saúde, André Longo, durante coletiva de imprensa, nessa quinta-feira (2). Ao mesmo tempo, em sua fala, o secretário também anunciou que uma decisão da realização do evento carnavalesco só será tomada aproximadamente na segunda quinzena de janeiro de 2022.

“Nós precisamos observar o comportamento da Covid-19 e dessa nova variante, que não sabemos ainda, por exemplo, se é resistente à vacina. Precisamos dirimir essas dúvidas para poder falar com convicção, respeitando todos aqueles que fazem o Carnaval de Pernambuco. Com o cenário de incerteza, se fossemos tomar uma decisão agora, seria negativa. Hoje, permitimos eventos privados com cinco, sete mil pessoas com controle vacinal. Será que o poder público vai poder fazer controle vacinal em fevereiro? Está tudo muito incerto. Queremos olhar para a primeira quinzena de janeiro para tomar alguma decisão com melhor amparo da ciência. É possível não fazer, é possível fazer, e é possível modular esse fazer, vai depender especialmente de como estiver o cenário a partir da segunda quinzena de janeiro”, comunicou.

Na coletiva, o secretário André Longo comentou, também, que Pernambuco voltou atrás na decisão de liberar o uso de máscara em locais abertos, ao atingir 80% da população vacinada, como estava previsto.

Redação PH Bezerros

Fonte: Folha de Pernambuco / Diário de Pernambuco