“Vergonha”, “decepção” e “covardia”, parte da base bolsonarista se indigna nas redes com recuo de Bolsonaro em declaração à nação.

reprodução redes sociais

 As falas de Bolsonaro contra o Supremo Tribunal Federal (STF) no dia (07) de setembro nas manifestações em apoio a seu governo afirmando que não acataria mais ordens do ministro Alexandre de Moraes, fizeram subir ainda mais a tensão da crise política e institucional a ponto de aquecer novamente o debate sobre a possibilidade de um processo de impeachment por crime de responsabilidade.

Após declarações antidemocráticas e contra a independência dos poderes, o Presidente Bolsonaro decidiu se encontrar com o ex-presidente da República, Michel temer.

Constitucionalista e em tom apaziguador, Temer disse a Bolsonaro que não era possível manter esse clima de confronto com o Poder Judiciário e ajudou o atual presidente a redigir carga de retratação e contato direto com o ministro Alexandre através de ligação telefônica.

Por isto, após as declarações contra ao (STF) e ao ministro Moraes, o presidente Jair Bolsonaro recuou nesta quinta-feira (10) com uma “declaração à nação” e não agradou sua base de apoiadores nas redes sociais. Em nota, o chefe do Executivo disse que nunca teve “a intenção de agredir quaisquer Poderes”, e que suas “palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum.”

A reação de aliados do presidente foi imediata e termos como “covarde”, “Bolsonaro arregou” e a #BolsonaroAcabou rapidamente foram alçados à lista de assuntos mais comentados da rede social do twitter. Em uma mensagem publicada na plataforma, um aliado do presidente afirma que brigou com toda família, foi em manifestações e agora está “decepcionado”.

Um dos seguidores de Jair Bolsonaro pontuou que o presidente “deixou de ser confiável” quando se aliou ao Centrão. Na mensagem, o apoiador afirma que “por sua culpa (Bolsonaro), a esquerda acaba de renascer, e está mais forte do nunca”. Outro apoiador destacou o fato de a nota ter sido redigida pelo ex-presidente Michel Temer e declarou: “o sistema venceu”.

Após ser criticado, o Presidente minimizou o recuou nesta sexta-feira (10) de Setembro disse que “não tem nada demais” na “declaração a nação”, disse ainda estar pronto para conversar e que não irá sair das 4 linhas da constituição. “Por mais que eu ache que você está fazendo a coisa errada ou ele está fazendo a coisa errada, da um tempo, deixa acalmar um pouquinho”, disse.

✓ Redação PH Bezerros

✓ Informações: Exame e G1